Jornal Correio do Estado - O Jornal que todo Mundo lê

Notícias - Segurança

Rede de proteção se reúne em Aracruz

08 de Junho de 2017 Autor:

Rede de proteção se reúne em Aracruz

Dino Simas

 

Os elevados índices de homicídios, as estratégias para enfrentar a violência, a importância do trabalho em rede, o papel do Sistema de Garantia de Direitos de crianças e adolescentes, a necessidade de garantir o direito à vida e a proteção a crianças, adolescentes e jovens e o modelo de proteção desenvolvido pelo PPCAAM foram temas discutidos pelos profissionais das áreas da assistência, educação, saúde, segurança, poder judiciário, Ministério Público e conselho tutelar de Aracruz - ES. O PPCAAM realizou uma atividade de capacitação no início deste mês em parceria com o Conselho Tutelar de Aracruz- Sede.

 

Cerca de 70 profissionais compareceram ao auditório do CISA – Conselho Interativo de Segurança de Aracruz e, conforme os organizadores, a atividade tem o objetivo de refletir sobre os altos índices de letalidade de crianças e adolescentes no estado do ES, apontar medidas para prevenção e enfrentamento desta problemática, ressaltar a importância do trabalho articulado entre os serviços locais e apresentar para a rede a metodologia e trabalho desenvolvido pelo PPCAAM/ES visando atender a demanda dos munícipes ameaçados de morte de Aracruz.

 

Foram discutidos temas como: A violência e o extermínio da juventude no território do ES; A importância da adoção de estratégias que configurem um trabalho através dos serviços locais; Formas de encaminhamento e acompanhamento dos casos de ameaça de morte identificados pelos profissionais competentes e integrantes da rede de proteção a crianças e adolescentes de Aracruz.

 

 

Segundo o Coordenador do Conselho Titular de Aracruz, Sidney Ferreira Bernardes, “o PPCAAM tem a função de proteger crianças e adolescentes em situação de risco de morte, podendo até conduzir toda a família para outras cidades capixabas, nos casos mais graves para outros estados e em situações extremas, levá-las para outros Países”.



    Comentários (0) Enviar Comentário