Jornal Correio do Estado - O Jornal que todo Mundo lê

Notícias - Saúde

Dores no corpo aumentam no inverno. Entenda os motivos

10 de Julho de 2017 Autor: Caroline Pereira

Dores no corpo aumentam no inverno. Entenda os motivos

Médico de Linhares dá dicas para evitar o agravamento desse mal estar

O inverno é conhecido por favorecer o surgimento de diversos problemas de saúde, entre eles, o agravamento das dores no corpo. De acordo com o médico e diretor técnico do Hospital Rio Doce, Dr. Ronaldo José de Souza, muitas pessoas passam a sentir mais dor durante a temporada de frio, especialmente aquelas que já sofrem com as chamadas dores crônicas e também os idosos.

Embora não exista uma explicação científica para o aumento da sensibilidade à dor no inverno, a justificativa mais provável, segundo o Dr. Ronaldo, está relacionada à diminuição da circulação sanguínea, já que, no frio, os vasos se contraem para reter o calor do corpo, mas acabam levando menos sangue às extremidades, o que gera uma diminuição do fluxo sanguíneo nas articulações e, consequentemente, a manifestação da dor.

Além dos vasos sanguíneos, o médico lembra que os músculos também se contraem, tornando as terminações nervosas mais sensíveis à dor. Isso explicaria o fato de qualquer pancada gerar um incômodo mais intenso ao indivíduo. Por isso, até quem não tem problemas de saúde pode apresentar dores no inverno. 

Prevenção e tratamento

Ainda que a tendência do ser humano seja ficar encolhido para amenizar o frio, esse comportamento gera ainda mais tensão muscular. Logo, a recomendação dos médicos é fazer exatamente o oposto, ou seja, seguir ou iniciar a prática de atividades físicas, já os movimentos aumentam a temperatura corporal e até estimulam a produção de endorfina, que tem um papel importante no controle da percepção da dor.

A automedicação, que é uma prática comum dos brasileiros, deve ser evitada. O Dr. Ronaldo lembra que a medicação em excesso pode desencadear outros problemas de saúde, como as alergias. Portanto, em caso de dor persistente, a recomendação é buscar a ajuda especializada e o tratamento adequado. 



    Comentários (0) Enviar Comentário