Jornal Correio do Estado - O Jornal que todo Mundo lê

Notícias - Estado

Governo destrói mais de 7 mil armas apreendidas no Estado

22 de Junho de 2017 Autor:

Governo destrói mais de 7 mil armas apreendidas no Estado

Armas foram apreendidas durante operações das polícias e guardas municipais em todo o Estado no último ano

O governo do Espírito Santo destruiu cerca de 7.500 armas que, em sua maioria, foram retiradas das mãos de criminosos do Estado no último ano. Armas que foram entregues voluntariamente também foram destruídas. Um rolo compressor inutilizou esses armamentos que, agora, serão incinerados por uma siderúrgica na Grande Vitória e serão transformados em ligas metálicas para serem reutilizados na produção de materiais de construção.

Para o secretário de Estado de Segurança Pública e Defesa Social, André Garcia, a ação contribui para a redução de crimes violentos no Estado. Este ato é importante para a segurança pública do Espírito Santo e até do país. “Estamos contribuindo com um esforço de várias polícias e guardas municipais para o controle da criminalidade violenta. São 7.500 armas destruídas, retiradas de circulação. Onde há menos armas, há menos crimes, por isso que estamos com uma sequência de redução nos homicídios. Vamos trabalhar, e muito, para que essa sequência continue nos próximos anos”, avaliou o chefe da pasta de segurança durante solenidade realizada no 38º Batalhão de Infantaria (BI) do Exército na manhã de ontem (21) que contou com a presença do governador Paulo Hartung e representantes do Exército, das Polícias Militar, Civil, Federal, Rodoviária Federal, Bombeiros Militar e das Guardas Civis Municipais de Serra e Vila Velha.

Garcia creditou a apreensão desses armamentos a todos os agentes de segurança que atuam no Estado, seja policial, guarda municipal e até mesmo os bombeiros. “Este ato simboliza o esforço do trabalho, a materialização desse esforço de trabalho de todos os agentes de segurança pública”.

De acordo com o secretário, a maioria das armas destruídas é fruto de apreensões durante operações policiais realizadas em 2016, quando foram identificados portes ilegais de armas por criminosos ligados ao tráfico de drogas.

O coronel Oliveira Costa, comandante do 38º BI, se disse feliz por poder fazer parte deste exemplo a ser seguido por todo o país. “Estamos muito felizes, é um passo muito grande dado e demonstrado para a população capixaba que estamos no  caminho certo, contribuindo, evitando que essas armas retornem à mãos inadequadas e mantemos, assim, a ordem pública em nosso estado. Em virtude deste ato, possamos dar continuidade e mostrar ao Brasil que o Espírito Santo faz sua parte nessa questão da destruição do armamento ilegal”.

Durante seu discurso, André Garcia destacou outra ferramenta que, segundo ele, vai alavancar a apreensão de armas no Estado. “Recentemente editamos um decreto trazendo de volta o bônus por apreensão de armas. É um instrumento de gestão fundamental de incentivo ao trabalho policial. O policial será remunerado pela apreensão de armas”.

Pelo decreto, policiais civis e militares do Espírito Santo podem ganhar até R$ 3.186,50 em bonificações pela apreensão de armas de fogo sem registro ou autorização legal de porte.

Furto

Em abril deste ano, 150 armas foram roubadas do Fórum da Serra, localizado na Grande Vitória. No último sábado, criminosos roubaram 391 armas do Fórum de Diadema, na Grande São Paulo e outras 372 foram subtraídas do Fórum do Guarujá, também em São Paulo na última semana. Para o secretario de segurança do Estado, essas destruições de armas que acontecem anualmente no Estado, mostra a preocupação do governo ao armazenar esse material.

“No caso do furto da Serra, o crime foi elucidado e a maioria das armas foi recuperada, mas algumas ainda estão fora do Estado. Mas, por isso, fazemos essa cerimônia e damos muita celeridade a essa destruição, pois o mais importante é resolver rapidamente os processos, realizar rapidamente as perícias e entregar a arma para destruição.É sempre bom ter isso como prioridade e acredito que, aqui, conseguimos estabelecer um fluxo relativamente adequado de destruição”.

Por Guto Netto/ADI/ES



    Comentários (0) Enviar Comentário