Jornal Correio do Estado - O Jornal que todo Mundo lê

Notícias - Entrevista

“Pude fazer algo pela comunidade e ainda quero fazer mais”, diz Miltinho Colega

15 de Setembro de 2017 Autor: Caroline Pereira

“Pude fazer algo pela comunidade e ainda quero fazer mais”, diz Miltinho Colega

Fora da vida política desde o fim do ano passado, depois de ter encerrado um mandato como vereador e presidente da Câmara Municipal de Linhares, Milton Simon Baptista, o Miltinho Colega, desempenha atualmente uma função no governo do Estado, mas os planos de retomar a carreira política seguem em alta.

Em entrevista ao jornal Correio do Estado, Miltinho fala sobre o cargo que pretende pleitear e revela quais são os seus ideais. “Acredito que não precisamos mais de políticos, e sim de pessoas públicas que tenham responsabilidade e que olhem para o coletivo”, declara.

Confira, a seguir, mais trechos dessa conversa, que toca ainda em outros temas como o legado dos mandatos de vereador, o crescimento da família, a emancipação aos 13 anos de idade e a origem do sobrenome “Colega”: 

Jornal CE: Fora da vida política linharense, que projetos você tem desenvolvido ultimamente na sua vida profissional? Você ocupa um cargo no governo do Estado, certo?

Miltinho Colega: Quando optei por não participar do processo eleitoral em 2016, recebi um convite pessoal do governador Paulo Hartung, devido ao trabalho que desenvolvi enquanto presidente da Câmara Municipal de Linhares. Na verdade, eu ainda tinha um mandato quando recebi esse convite. Fiquei muito feliz, pois isso é um reflexo do trabalho que pude realizar. Fui convidado para ser o diretor de produção e comercialização da Imprensa Oficial do Estado do ES, que é o Diário Oficial do Estado. Assumi o cargo em abril deste ano e já tenho bons resultados para apresentar. Nós estamos passando por um processo de modernização. Acabamos com a impressão do diário em papel e só com essa medida vamos economizar R$ 2 milhões por ano. Esse dinheiro vai ser revertido para investimentos no governo. 

Jornal CE: Você tem planos de pleitear um cargo político novamente?

Miltinho Colega: Sim, com certeza. Mesmo que eu não tenha participado da eleição do ano passado, eu dei um “até breve” para a carreira política. Pretendo pleitear um cargo sim e acredito que isso deve acontecer em 2018. Quero colocar meu nome à disposição e tenho sido estimulado pelas pessoas a fazer isso. Acredito que não precisamos mais de políticos, e sim de pessoas públicas que tenham responsabilidade e que olhem para o coletivo. Precisamos de pessoas que tenham comprometimento com a população. Tudo isso tem me motivado. Se Deus me permitir e minha família me apoiar, pretendo participar do próximo processo eleitoral. 

Jornal CE: E qual seria o cargo?

Miltinho Colega: Deputado estadual. Pretendo ser pré-candidato. 

Jornal CE: Você já foi considerado o vereador mais novo da Câmara Municipal de Linhares. O que fez você se interessar pela vida política tão jovem?

Miltinho Colega: Fui eleito vereador para o primeiro mandato aos 24 anos de idade. Isso aconteceu porque meu pai já tinha uma vida pública como vereador e, dessa forma, acabei me envolvendo com esse trabalho. O fato de a minha família ter um comércio também ajudou, pois as pessoas nos conheceram e nos estimularam. Na época do primeiro mandato, fui o terceiro vereador mais votado da cidade. Hoje em dia, percebo que o que a gente precisa é de jovens com opinião. Na vida pública, não se pode ter o chamado cabresto político. Você deve ter sua opinião para defender os ideais da comunidade. Se você estiver emparelhado só com o poder, você não vai conseguir defender os interesses da comunidade. Tive dois mandatos de vereador e dois mandatos de presidente da Câmara que foram muito felizes. Aliás, fui o presidente da Câmara mais jovem da história de Linhares, com 30 anos. Mesmo novo, tive a preocupação de me especializar na área pública. Estudei, fiz graduação, pós-graduação, enfim, me especializei para o trabalho. Defendo a tese de que não dá para ser advogado sem fazer o curso de direito, não dá para ser médico sem fazer o curso de medicina e não dá para ser um homem público se você não entender da coisa pública. Desde o meu primeiro mandato, me estimulei a buscar esse conhecimento. São 12 anos de vida pública e o estudo me ajudou muito. Até porque, o poder público é um organismo vivo, que muda todo o dia. 

Jornal CE: Que lições você obteve para sua vida pessoal ao ser vereador e presidente da Câmara de Linhares nos últimos anos?

Miltinho Colega: Acredito que não podemos passar pelo setor público sem deixar uma marca. E nos meus mandatos de vereador e presidente da Câmara, consegui desenvolver alguns projetos, como os da cota social da Faceli, da construção da sede própria do legislativo (sem muros, para ser de fato a casa do cidadão), da TV Câmara e outros relacionados à área social. São tantos projetos que seria até injusto citar só alguns. Tenho hoje a tranquilidade e a sensação de dever cumprido, porque pude fazer algo pela comunidade e ainda quero fazer mais. Creio que se o mandato for bem utilizado não for usado para vias pessoais, e sim para o bem comum, ele se torna muito importante para o município. E me refiro a qualquer mandato eletivo – presidente de associação, vereador, presidente de federação, entre outros. Todo mandato tem o dia de início e de término, mas o legado não acaba no dia do fim do mandato. Agradeço a Deus todos os dias por ter desenvolvido um bom trabalho como vereador e de ter contribuído para a nossa região. 

Jornal CE: É verdade que você foi emancipado aos 13 anos de idade? Como isso aconteceu e por quê?

Miltinho Colega: É verdade. Na época, meu pai teve um derrame cerebral e minha mãe precisou cuidar dele. Meu pai ficou internado muitos meses. Com 13 anos, eu já trabalhava nos negócios da família (uma autoescola). E foi nesse tempo que ocorreu o processo de emancipação. Tive que fazer parte do corpo da empresa, embora não tivesse idade para isso. Costumo dizer que tenho 34 anos de idade, mas muitos anos de contribuição de trabalho. Aprendi a trabalhar muito cedo. Embora esse processo tenha acontecido num contexto ruim, pois se tratava de um problema de saúde na família, tive uma boa oportunidade. Vale dizer que meu pai se recuperou e hoje leva uma vida normal. 

Jornal CE: Muitas pessoas perguntam qual é a origem do sobrenome “Colega” que você utiliza, já que seus sobrenomes são Simon Baptista. Pode nos revelar de onde surgiu o “Colega”?

Miltinho Colega: Na década de 70, meu pai era policial rodoviário federal e foi transferido para a região de Linhares. Ele sempre teve a mania de chamar as pessoas de colega. Por isso, muitos passaram a chamá-lo de Milton Colega. E como eu tenho o mesmo nome do meu pai, acabei me tornando o Miltinho Colega. Em alguns locais, se falarem o meu nome completo (Milton Simon Baptista), muitos não vão me reconhecer. 

Jornal CE: O nascimento de sua primeira filha foi um acontecimento muito celebrado por você e seus entes queridos. Tem planos de aumentar a família?

Miltinho Colega: A chegada da minha filha marcou muito a minha vida. Somos três irmãos homens e Deus quis colocar uma menina no nosso meio. Hoje, ela é um dos nossos xodós, pois também tenho a minha afilhada. Espero que a minha menina seja a primeira de alguns filhos, pois sempre tive o sonho de ter três – meninos ou meninas. Essa vontade de aumentar a família ficou ainda mais forte depois do nascimento da minha filha, porque o maior amor do mundo que a pessoa pode ter na Terra – depois do amor de Deus – é o amor por um filho. Minha menina me dá forças para superar todos os momentos difíceis que já passei na minha vida. Além disso, tenho muito apoio dos meus pais, dos meus irmãos e da minha esposa, que é uma grande parceira. Amo receber minha família e meus amigos em casa. Adoro cozinhar e sinto prazer em servir as pessoas. 

Jornal CE: E quais são os demais planos de sua vida pessoal e profissional?

Miltinho Colega: Pretendo, na vida pública, seguir com os meus princípios, que me deram a tranquilidade de não ter processos e nem ver meu nome envolvido em corrupção. Essa é a obrigação de um homem público. Mesmo sem um cargo, ainda sou um homem público, pois sou diretor no governo, e tenho que dar bons exemplos. Costumo dizer que o homem público é reflexo de suas atitudes. Quero ser exemplo para a minha filha, para os meus familiares e também para a minha comunidade. Se eu começar mudando por mim, vamos construir o Brasil que a gente quer.  Creio que teremos dias melhores em nosso país, mas temos que iniciar a mudança a partir da gente. Se uma pessoa não der uma boa educação para o filho dentro de casa, ela não poderá esperar que, na escola, ele encontre isso. Sei que o serviço público ainda tem muito a melhorar. Sabemos dos desafios e não está fácil estar na vida pública, mas o primeiro passo é ter amor pelo que se faz. E eu amo o que faço. 

FOTO: Miltinho Colega é morador do bairro Interlagos, em Linhares (Foto: Divulgação) 



    Comentários (0) Enviar Comentário