Jornal Correio do Estado - O Jornal que todo Mundo lê

Notícias - Entrevista

“Acredito que posso fazer ainda mais pela educação”, diz presidente da FSJB, de Aracruz

01 de Setembro de 2017 Autor: Caroline Pereira

“Acredito que posso fazer ainda mais pela educação”, diz presidente da FSJB, de Aracruz

A Fundação São João Batista (FSJB), mantenedora das Faculdades Integradas de Aracruz (FAACZ) e do Centro Educacional de Aracruz (CEA), é presidida há mais de 10 anos por Celi Maria Guisso Cabral, uma mulher que chegou à Aracruz na década de 70 para buscar tratamento para a depressão e que, com o passar dos anos, fez diversas contribuições ao município, especialmente na área da educação.

Celi preside a FSJB desde 2006 e é a pessoa que está há mais tempo nesse cargo. O longo mandato é amparado pela aprovação dos conselheiros da fundação, que, a cada quatro anos, se reúnem em assembleia para escolher o nome daquele que vai comandar os trabalhos da FSJB. A próxima eleição vai ocorrer no ano de 2019.

Em entrevista ao jornal Correio do Estado, Celi faz um breve balanço de sua gestão e de sua história de vida. Confira: 

Jornal CE: Você é a presidente da Fundação São João Batista (FSJB) que está há mais tempo no cargo. A que você atribui essa gestão de sucesso e credibilidade?

Celi Cabral: Toda gestão de sucesso tem que ser precedida de um trabalho sério e ser pautada em dedicação, trabalho, transparência e companheirismo. Aqui na Fundação São João Batista, na FAACZ e no CEA, eu conto com o comprometimento de uma equipe multidisciplinar competente, que realiza suas atividades em prol de um ensino de qualidade. Afinal, os resultados sempre são melhores quando a gestão é compartilhada. Não posso deixar de agradecer aos conselheiros da Fundação, que me elegeram e reelegeram ao cargo que hoje ocupo como presidente de uma instituição que tem feito a diferença na história de Aracruz há 61 anos. Os membros do conselho confiaram e acreditam no trabalho que venho realizando, em conjunto com a minha equipe de profissionais, altamente eficientes, que fazem a diferença na minha gestão. Acredito que com determinação, planejamento e foco no futuro chegaremos aonde quisermos. Mais do que nunca queremos prestar um serviço de qualidade à sociedade de Aracruz e região, por meio da FAACZ e do CEA. Só se faz gestão com uma equipe eficiente e com um único propósito. É nisso que acredito. 

Jornal CE: E como você conseguiu, no passado, fazer parte desse grupo que coordena as ações da FSJB?

Celi Cabral: Tive um grande privilégio na vida: ser indicada para ficar na vaga do saudoso Monsenhor Guilherme Schmitz, pároco do nosso município que, na década de 50, idealizou a Fundação São João Batista. Sempre me emociono quando me refiro ao Monsenhor, pois parece que ele é uma força que está sempre comigo. Honra e orgulho são os sentimentos que tenho por estar hoje na Assembleia Geral da instituição na vaga que ele precedeu. A cada dia aumenta em mim a vontade de fazer mais por essa instituição. Afinal, é uma responsabilidade muito grande suceder a Monsenhor na Assembleia. 

Jornal CE: Você também é uma das idealizadoras do Centro Educacional de Aracruz, vinculado à FSJB. O que te motivou, naquela época, a traçar esse projeto?

Celi Cabral: No início dos anos 90, eu, Celi Cabral, era a diretora executiva da FSJB e dona Penha, Maria da Penha Cometti Stelzer, era a presidente. Essa mulher, guerreira, determinada e amante incansável da educação, assim como eu, acreditava no potencial da educação em Aracruz e, juntas, identificamos a importância de manter as raízes da Fundação São João Batista, iniciada na década de 50, por Monsenhor. Trabalhamos incansavelmente para darmos início ao Centro Educacional de Aracruz (CEA), em 07 de fevereiro de 1994. A nossa perspectiva era oferecer mais para a comunidade, ir além dos cursos que tínhamos na época pela FAACZ. Hoje, temos certeza que fizemos a escolha certa. Não foram poucas as ocasiões que encontrei ex-alunos da escola exercendo várias profissões, como médicos, administradores, contadores, engenheiros, arquitetos-urbanistas, pedagogos e advogados. Saber disso é uma realização. É um trabalho feito com amor e que deixará um registro da minha dedicação pela educação na história de nosso município. 

Jornal CE: Em 2014, você recebeu o título de Cidadão Aracruzense, que é uma honraria concedida pelo legislativo para homenagear pessoas que escolheram Aracruz para morar e que fizeram algo pelo desenvolvimento do município. Você pode contar como foi a sua chegada à cidade e por que você fez dela a sua morada?

Celi Cabral: Aos 18 anos, tive uma depressão pela perda de uma amiga. Na época, morava em Afonso Cláudio e ninguém entendia o que eu tinha. Procurando melhores recursos, vim para Aracruz e fiquei na casa de minha irmã, Luzia, em busca de um tratamento. Fiquei hospitalizada algumas vezes no Hospital São Camilo e fui cuidada pelo Dr. Sixto Nelson Quinõnez Diaz. Após me recuperar, em 1974, comecei a trabalhar no Cartório do 3º Ofício do município de Aracruz, cartório esse no qual hoje sou tabeliã titular. Foi em Aracruz que conclui o Ensino Médio e me casei. O título de cidadã aracruzense veio coroar a minha história com essa cidade que tenho enorme carinho e amor. 

Jornal CE: Em sua opinião, o que motivou a sua indicação para esse prêmio e o que mais você acha que pode fazer pelo município?

Celi Cabral: A minha história com Aracruz é antiga e sempre que possível estive presente em prol da nossa sociedade. Todos achavam que eu era natural do município e por isso demorei a receber essa honraria. Quando o vereador Erick Musso, hoje deputado estadual, descobriu que eu não era de Aracruz, me indicou ao título de cidadã aracruzense, que teve aprovação de todos os vereadores da Casa de Leis. Tenho grandes horizontes ainda para alcançar aqui no município de Aracruz, por isso, acredito que posso fazer ainda mais pela educação, desde o Ensino Fundamental ao Superior, por meio do CEA e da FAACZ. 

Jornal CE: Paralelo aos trabalhos na presidência da FSJB, você dirige um cartório. Pode nos contar um pouco a respeito desse trabalho? Você possui formação em direito, certo?

Celi Cabral: Em 1981, conclui o curso de direito na Faculdade de Direito de Colatina (FADIC), hoje UNESC. Em 1974, trabalhei como auxiliar no Cartório do 3º Ofício do município de Aracruz, que tinha como titular Josias da Silva Lisboa. Com a vacância do cargo, assumi a titularidade por meio de concurso. 

Jornal CE: Longe das atividades do cartório e também da presidência da FSJB, quem é a Celi Cabral e o que ela faz?

 

Celi Cabral: Uma mulher forte e determinada. Amorosa com seus filhos e com o seu único neto, Otávio. Acredito na força da família e nos princípios que ela nos dá para a vida. Fora do ambiente acadêmico e jurídico aproveito a vida de forma intensa. Gosto de viajar, conhecer novas culturas e pessoas. Estar em lugares que ainda não conheço faz com que a cultura se torne algo mais apurado. É sem sombra de dúvida um grande aprendizado. Há algum tempo estou fazendo um resgate de minhas raízes. Afinal, sou de origem humilde e hoje, sempre que posso, gosto de ir ao sítio para renovar as energias, receber amigos em minha casa e cozinhar. Além de ser uma menina, no corpo de mulher, sou muito brincalhona (risos).

FOTO: DIVULGAÇÃO



    Comentários (0) Enviar Comentário